CHEGUE NA PAZ

31 de mar de 2011

Equilíbrio

Para sentir-me pleno, tenho que ser estável e para ser estável, é necessário equilíbrio. O equilíbrio entre:

Ser alegre e não inconveniente.
Ser sincero e não machucar.
Ser firme nas idéias e não arrogante.

Ser rápido e não impreciso.
Ser contente e não complacente.

Ser despreocupado e não descuidado.
Ser amoroso e não pegajoso.
Ser pacífico e não passivo.

Ser disciplinado e não rígido.
Ser flexível e não frouxo.
Ser comunicativo e não exagerado.

Ser obediente e não cego.
Ser doce e não melado.
Ser moldável e não tolo.

Ser introspectivo e não enclausurado.
Ser determinado e não teimoso.
Ser corajoso e não agressivo.

Lágrimas secas

É noite agora
E a saudade me chega
No corpo e na alma
No teu lugar apenas o vazio
De movimento e vozes
Que só podem ser teus!

Entre mentiras e sonhos
Foi-se o sono
Esvai-se a bruma
Apagam-se as luzes das estrelas
A lua baixa p´ra seu sono de paz
Nasce o dia.

E eu fiquei na espera
De um abraço ilusório
De um sorriso largo
De um olhar terno
Um murmúrio do vento
Chamando um nome - O meu!

Quantas noites não dormi!
Passei-as chorando
Lágrimas secas
Do vazio da tua ausência!

Delasnieve Daspet

Seremos aves...

As metáforas, conforme certa vez definiu um poeta, são pontes poéticas
que o amor constrói... e que fazem ligação entre coisas e conceitos.

As Escrituras Sagradas das diferentes tradições religiosas não raramente lançam mão de metáforas... para tornar mais claro o entendimento das verdades do mundo espiritual.

Metáforas – pontes poéticas que o amor constrói e que fazem ligação entre coisas e conceitos. E dentre as metáforas poéticas que os versos sagrados utilizam, uma das mais belas é uma passagem dos textos da Fé...

... que compara o corpo físico a uma gaiola, e o espírito a uma ave que nela habita.

Imaginar que o espírito pereça ao morrer o corpo, é como imaginar que o pássaro morra ao quebrar-se a gaiola. Nosso corpo é apenas a gaiola, enquanto o espírito é o pássaro.

Nada tem o pássaro que recear, porém, com a destruição da gaiola. Se a gaiola for quebrada, o espírito continuará a existir, e seus sentimentos serão até mais poderosos, suas percepções mais agudas, e sua felicidade maior.

O suave vôo das aves é uma metáfora visual a nos sussurrar que a alma é livre das limitações impostas pela matéria. Uma metáfora visual e poética que se revela aos que se dispõem a enxergar além do que os olhos podem.

E ao deslizar pelo céu, as aves nos recordam dos nossos entes queridos que já partiram. Todos os que deixaram para trás este mundo de provações e caminhadas, sonos e vigílias, dias e noites, esperanças... E as aves nos recordam ainda que em breve também chegará a nossa hora de voar.

Da força das asas do espírito depende a altura a que se pode chegar.

O corpo, frágil argila, sofre os efeitos do tempo. A alma, puro sopro, é eterna. Aproveitar os nossos breves e incertos dias para alimentar a nossa alma com valores nobres e ideais elevados.

Uma dieta espiritual rica em Amor e Bondade, Caridade, Pureza, Compaixão, Bondade, Perdão, Generosidade, Justiça, Virtudes, Gratidão, Bem-Aventuranças.

De modo que, quando a hora derradeira bater à nossa porta... possamos voar com asas limpas e puras até às mais sublimes alturas.

Somos livros...

O Universo é uma imensa livraria. A Terra é apenas uma das suas estantes. Somos os livros colocados nela. Da mesma maneira que as pessoas compram livros apenas pela beleza da capa, sem pesquisarem o índice e conteúdo do mesmo, muitas pessoas avaliam os outros pela aparência externa, pela capa física, sem considerarem a parte interna.

Outras, procuram livros com títulos bombásticos, sensacionalistas, histórias de terror ou romances.

Também é assim com as pessoas:
Há aquelas que buscam sensacionalismos baratos, dramas alheios ou apenas um romance, seja profundo ou rasteiro. Somos homens-livros, lendo uns aos outros. Podemos ficar só na capa ou aprofundarmos nossa leitura até as páginas vivas do coração.

A capa pode ser interessante, mas é no conteúdo que brilha a essência do texto. O corpo pode ter uma bela plástica, mas é o espírito que dá brilho aos olhos.

Também podemos ler nas páginas experientes da vida muitos textos de sabedoria. Depende do que estamos buscando na estante.

Podemos ver em cada homem-livro um texto impresso nas linhas do corpo.

DEUS colocou sua assinatura Divina ali, nas páginas do coração, mas só quem lê o interior é que descobre isso.

Só vence a ilusão da capa e mergulha nas páginas da vida íntima de alguém, é que descobre seu real valor, humano e espiritual.

Que todos nós possamos ser bons leitores conscientes. Que nas páginas de nossos corações possamos ler uma história de amor profundo. Que em nossos espíritos possamos ler uma história imortal.

E que, sendo homens-livros, nós possamos ser a leitura interessante e criativa nas várias estantes da livraria-universo.

A capa amassa e as folhas podem rasgar. Mas, ninguém amassa ou rasga as idéias e sentimentos de uma consciência imortal.

O que não foi bem escrito poderá ser bem escrito mais à frente. Mas com toda certeza será publicado pela editora da vida, na estante Divina...

Ser "mulher"

NADA MAIS CONTRADITÓRIO DO QUE "SER MULHER"...

MULHER QUE PENSA COM O CORAÇÃO, AGE PELA EMOÇÃO E...
... VENCE PELO AMOR.

QUE VIVE MILHÕES DE EMOÇÕES NUM SÓ DIA E...
... TRANSMITE CADA UMA DELAS, NUM ÚNICO OLHAR.

QUE COBRA DE SI A PERFEIÇÃO E VIVE ARRUMANDO DESCULPAS PARA OS ERROS, DAQUELES A QUEM AMA.

QUE HOSPEDA NO VENTRE OUTRAS ALMAS, DÁ A LUZ E DEPOIS FICA CEGA, DIANTE DA BELEZA DOS FILHOS QUE GEROU.

QUE DÁ AS ASAS, ENSINA A VOAR MAS NÃO QUER VER PARTIR OS PÁSSAROS, MESMO SABENDO QUE ELES NÃO LHE PERTENCEM.

QUE SE ENFEITA TODA E PERFUMA O LEITO, AINDA QUE SEU AMOR NEM PERCEBA MAIS TAIS DETALHES...

QUE COMO UMA FEITICEIRA TRANSFORMA EM LUZ E SORRISO...
... AS DORES QUE SENTE NA ALMA, SÓ PARA NINGUÉM NOTAR.

E AINDA TEM QUE SER FORTE, DAR O OMBRO PARA QUEM NELE PRECISE CHORAR.

FELIZ DO HOMEM QUE POR UM DIA SOUBER ENTENDER...

... A ALMA DA MULHER!

30 de mar de 2011

Boas dicas

Esta é a campanha publicitária do City Bank espalhada pela cidade de São Paulo através de Outdoors.

"Crie filhos em vez de herdeiros."

"Dinheiro só chama dinheiro, não chama para um cineminha, nem para tomar um sorvete."

"Não deixe que o trabalho sobre sua mesa tampe a vista da janela."

"Não é justo fazer declarações anuais ao Fisco e nenhuma para quem você ama."

"Para cada almoço de negócios, faça um jantar à luz de velas."

"Por que as semanas demoram tanto e os anos passam tão rapidinho?"

"Quantas reuniões foram mesmo esta semana? Reúna os amigos."

"Trabalhe, trabalhe, trabalhe. Mas não se esqueça, vírgulas significam pausas..."(e em seguida a esse Outdoor na Marginal Pinheiros....tinha um outro dizendo: ....e quem sabe assim você seja promovido a melhor pai do mundo!)

"Você pode dar uma festa sem dinheiro. Mas não sem amigos."

A força das palavras

A palavra tem uma força descomunal
Contém uma energia, sobrenatural...

Tanto agride e desconcerta
Quanto consola na hora certa...

Mal usada desencaminha e destrói
Bem aplicada, orienta e reconstrói...

Precipitada, magoa e ofende
Refletida, é escudo que defende...

Pode muito mais do que se imagina
Deprime, mas acaba com a rotina...

Desfaz crenças e desperta a Fé

Desencaminha e também orienta
Liberta, aprisiona, apascenta...

Propala engodo, mostra verdade
Expressa ódio, indiferença, calor

Liberando a energia nela contida
Podemos modificar nossa vida...

Externando positivamente
De forma clara e consistente
Que queremos, podemos e devemos
Viver em Paz e com Amor!

Crendo, realizar-se-á
Pela força que na Palavra há!

Lauro Kisielewicz

29 de mar de 2011

Dialogando com o Brasil

Brasil...

Sabe, Brasil, estou feliz
Por ouvir você dizer o que eu sempre quis
Que moro num país poderoso
Que aqui não tem o tal chefão,
Que deve ser uma mulher,
Pois eles chamam ditadura...

Mas eu não consigo entender
Cadê os heróis que eu vi na TV
Antes de eu crescer
Que lutavam tanto por você?
Eles foram expulsos, eu sei
Mas pelo que vejo, os que voltaram,
Vieram só se vingar de você...

Enquanto eles foram
Outros me fizeram crer
Que você era o país do futuro
E eu lutei bravamente prá chegar
Nesse tal futuro...

Cresci, estudei, trabalhei
Trabalhei tanto, e de repente
Já cansado e doente
Precisava aposentar
Mas veio um presidente
Homem culto e inteligente
Me chamou de vagabundo...

Eu chorei, mas continuei
Tentando pra lá e pra cá
Porque enquanto eu trabalhava
Tinha comigo um ideal
De ver você ser, finalmente
Majestoso, poderoso, real
E ajudei no que pude.

Mas acho que me enganei
Não há heróis, só bandidos
Que lá nos seus bastidores
Apertam as mãos
Dividem o produto da traição.

Brasil, dá uma luz
Ensina um caminho pra gente
Que não seja indecente
Como tudo que teve até então...

Mostra-nos o jeito certeiro
De fazermos de você, o celeiro
Onde todos terão pão...

autoria desconhecida

O Vaso Chinês

Uma velha senhora chinesa possuía dois grandes vasos, cada um suspenso na extremidade de uma vara que ela carregava nas costas.

Um dos vasos era rachado e o outro era perfeito.

Este último estava sempre cheio de água ao fim da longa caminhada da torrente até a casa, enquanto aquele rachado chegava meio vazio.

Por longo tempo a coisa foi em frente assim, com a senhora que chegava a casa com somente um vaso e meio de água.

Naturalmente o vaso perfeito era muito orgulhoso do próprio resultado e o pobre vaso rachado tinha vergonha do seu defeito, de conseguir fazer só a metade daquilo que deveria fazer.

Depois de dois anos, refletindo sobre a própria amarga derrota de ser 'rachado', o vaso falou com a senhora durante o caminho:

'Tenho vergonha de mim mesmo, porque esta rachadura que eu tenho me faz perder metade da água durante o caminho até a sua casa...'

A velhinha sorriu:

'Você reparou que lindas flores tem somente do teu lado do caminho?

Eu sempre soube do teu defeito e, portanto plantei sementes de flores na beira da estrada do teu lado. E todo dia, enquanto a gente voltava, tu as regavas.

Por dois anos pude recolher aquelas belíssimas flores para enfeitar a mesa.

Se tu não fosses como és, eu não teria tido aquelas maravilhas na minha casa.

Cada um de nós tem o próprio defeito.

Sabedoria é conseguir direcionar até nossos próprios defeitos em benefício de algo e/ou alguém...

Aos Pais

“Vossos filhos não são vossos filhos.

São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.

Vêm através de vós, mas não de vós.

E embora vivam convosco, não vos pertencem.

Podeis outorgar-lhes vosso Amor,
mas não vossos pensamentos,
porque eles tem seus próprios pensamentos.

Podeis abrigar seus corpos, mas não suas Almas;
Pois suas Almas moram na mansão do amanhã,
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.

Podeis esforçar-vos por ser como eles,
Mas não procureis fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para traz e
Não se demora com os dias passados!”

Trecho do livro “O Profeta” - Gilbran Khalil Gilbran

Mestre de si mesmo

Encontrei o Equilíbrio quando trilhava o Caminho do Meio.

Ele era um sujeito tranqüilo, sorridente, com os olhos brilhantes e andava com tanta confiança, que fiquei desconfiado; seria esse sujeito alguém real em que eu poderia me tornar?

Já havia trilhado outros caminhos e estava meio decepcionado.

Certa vez, trilhei o Caminho da Negação e encontrei o Cético.

Convincente e seguro, ele me ensinou o poder do questionamento e como as pessoas acreditam em qualquer coisa, transformando- as em verdade absoluta, como certas lendas e contos populares que são passados, de geração para geração.

Achei que ele tinha razão, mas aí deixei esse caminho, quando percebi que o Cético duvidava de tudo, menos do seu próprio ceticismo.

Outra vez, trilhei o Caminho do Exagero e encontrei o Fanático.

Ele aparentava estar em felicidade plena, mas falava de Deus com um estranho brilho no olhar, que me dava medo.
Dizia que Deus estava em tudo e que só o que precisávamos era do amor, o que me deixou mais confiante; mas, quando ele tentou me convencer a ser seu discípulo, para que eu tivesse acesso às grandes verdades do universo e me tornasse um escolhido a embarcar na caravana do próximo Messias, caí fora do barco o mais rápido que pude e voltei à minha busca.

Desiludido, pensei em desistir de procurar, até que encontrei o Equilíbrio e, por ele ser tão simples e, até certo ponto, familiar, desconfiei que não fosse real.

Eu estava enganado.
Satisfeito, perguntei se poderia caminhar com ele.

- Claro! - ele respondeu - Mas você está disposto a caminhar com suas próprias pernas e a pagar o preço?

- Preço?

- Isso mesmo. O preço de enxergar e compreender que estamos manifestados como seres humanos e, como tais, devemos aceitar as nossas limitações.
Precisamos aprender a questionar certas coisas e aceitar outras, como parecem ser, mesmo que elas não possuam nenhuma lógica aparente.

A mente humana é limitada e, por mais que se consiga efetuar cálculos avançados, quando o assunto é o coração ou a espiritualidade, mal sabemos a tabuada.
E, ainda assim, quando aprendemos a somar um pouco e descobrimos que um mais um é igual ao infinito, esse resultado não é a verdade absoluta do universo coletivo; pelo contrário, essa soma nada mais é do que a SUA versão da verdade.

Por isso é perigoso evangelizar o mundo com as nossas experiências, pois, cedo ou tarde, descobrimos que, por mais que passemos toda a vida tentando ser mestre dos outros, só conseguiremos, se tivermos sucesso, ser mestres de nós mesmos.

autoria desconhecida

28 de mar de 2011

Que maldade com as loiras!

> Haviam 3 loiras na sala de aula numa escola do interior...
> O professor pergunta para a primeira:
> - Magnólia, diz um verbo.
> A loira pensa, pensa, pensa e diz:
> - Bicicreta.
> O professor diz:
> - Não é bicicreta, é bicicleta e bicicleta não é verbo.
> Então ele pergunta para segunda:
> - Alcinéia, me diz um verbo.
> Ela pensa, pensa, pensa e diz:
> - Prastico.
> O professor irritado diz:
> - Não é prastico, é plástico e plástico não é verbo.
> Então ele pergunta para a terceira:
> - Andréa, me diz um verbo.
> Essa nem pensa e diz:
> - Hospedar!
> O professor diz:
> - Até que enfim uma loira inteligente; agora me diga uma frase com o
> verbo que você escolheu!
> A loira enche o peito de coragem e manda bala:
>
> - HOSPEDAR DA BICICRETA É DE PRASTICO.

Escrevo para não morrer...

Para não morrer, para não explodir,
Para desabafar meus sentimentos,
Esta força que me avassala e oprime,
É por isso que escrevo!

E por que tenho vida - vou escrevendo;
Meu interior pede a tradução em letras e versos
Do que se agiganta em mim...

Escrevo, enfim, para renascer.
Pois o turbilhão que minh´alma encerra
Me lança à extratosfera...Escrevendo chego ao infinito,
E como uma onda num oceano de areia,
Densa, vou num crescendo, rolando nas dunas...

Escrevo, pois preciso dizer o que aprendi!
Muitas coisas nos esperam além da estrada,
Da imensidão, indizíveis e invisíveis a olho nú,
A eternidade!

E escrevo, enfim, para que caibam dentro de mim,
Todas as angústias e dores que carrego,
E antes que eu desabe, como um grão de areia
Que se joga ao vento,
Escrevo para não morrer...

Delasnieve Daspet

27 de mar de 2011

O futuro da humanidade

No século XIV a.C., no reinado do Faraó Amenóphis IV, posteriormente conhecido por Akhenaton, o culto a Aton (Disco Solar), o primeiro monoteísmo da história, foi implantado no Egito, para, poucos anos após, desaparecer nas névoas do tempo.

Akhenaton, que foi um verdadeiro Príncipe da Paz, deixou-nos um importante legado espiritual, plenamente válido e precioso para a Humanidade no século XXI, que já enfrenta sérios problemas de ordem planetária.

Talvez os seus ensinamentos possibilitem aos seres humanos o resgate das suas Raízes Solares, espirituais e físicas, auxiliando cada um de nós a encontrar o seu verdadeiro lugar no Universo, objetivo principal de nossa existência neste planeta.

Aquele que conseguir despertar o seu “Sol Interior” terá o dever de mostrar aos seus irmãos de jornada o caminho para essa descoberta.

E que os “Filhos do Sol” despertem e encontrem-se nesta vida!
Você costuma, antes de cada refeição, agradecer pelo alimento que a vida coloca, generosamente, à sua disposição? Em certas famílias, agradecer pelo alimento recebido é um ritual obrigatório. Embora este seja um costume bem comum, pouquíssimas pessoas têm o hábito de agradecer por outra forma de alimento, tão necessária para a nossa vida quanto um prato de comida.

Estamos falando do conhecimento, que é o alimento da alma, daquilo que tem o dom de nos transformar em verdadeiros seres humanos. Existem conhecimentos que são meras ferramentas para a nossa sobrevivência.
Mas existem aqueles que nos transformam não apenas em pessoas melhores para o mundo, mas, principalmente, para nós mesmos. Assim, somos o que somos graças ao conhecimento. O que faremos desta vida e qual será o nosso destino dependerá tão somente do nosso grau de conhecimento.

Quando atingirmos o verdadeiro conhecimento, a plena realização de nossos potenciais, teremos condições de criarmos uma total unidade, um perfeito equilíbrio entre o saber e o ser. Seremos pessoas integradas com o mundo, com a vida, que saíram de um longo e letárgico período em que éramos pouco mais do que sonâmbulos...

“Essa é a verdadeira chave para a vida: se modificares a tua mentalidade, tuas condições se modificarão também, teu corpo irá modificar-se; tuas atividades rotineiras irão modificar-se; teu lar irá modificar-se; toda a tônica da tua vida irá modificar-se, pois o estares feliz e contente ou deprimido e infeliz, depende inteiramente do tipo de alimento mental de que te nutres.” (Emmet Fox)

O conhecimento da Humanidade amplia-se, a cada momento, em velocidade assustadora. Estamos criando o que Teilhard de Chardin chamou de “noosfera”, uma espécie de campo mental.

Paul Saffo, diretor do “Instituto Para o Futuro”, na Califórnia, afirma que “estamos entrando numa era de riqueza cultural e abundante de escolhas como nunca vimos antes na História da Humanidade.”

Conforme Paul Saffo, a Humanidade estaria entrando numa era semelhante à Cambriana, ocorrida a 539 milhões de anos atrás, quando aconteceu uma explosão de vida em nosso planeta. Em nossa época, a “explosão cambriana” estaria acontecendo novamente, só que através da criatividade. Além disso, teríamos também de levar em conta a emergente cultura de participatividade, quando deixamos de ser expectadores passivos dos acontecimentos para sermos também atores.

Esse incrível avanço do conhecimento, tanto em volume quanto em qualidade e velocidade, poderá estar criando uma espécie de “mente global”, acerca da qual existem só especulações.

Ainda não se sabe como essa mente global, na forma de rede, irá se comportar. No entanto, é paradoxal que esse imenso aporte de novos conhecimentos não venha sendo acompanhado por um desenvolvimento humanístico paralelo.

Por causa desse grande descompasso entre o conhecimento das coisas externas (do mundo) e internas (do ser humano), a grande fronteira a ser transposta, em futuro próximo, pela Humanidade, não será a do espaço sideral, mas a do espaço consciencial.

Diante de um quadro futuro tão complexo e com muitas incógnitas, é óbvio que teremos de aprender a lidar com essa massa descomunal de conhecimentos.

Teremos de saber discernir a qualidade e o valor do conhecimento, o que será útil ou não. Mas, acima de tudo, teremos de saber diferenciar o que é verdadeiro daquilo que é falso. Nossa sanidade mental e sucesso na vida dependerão disso.

O conhecimento intelectual é legítimo e verdadeiro, sendo uma das maiores conquistas da Humanidade. Mas existem muitas outras dimensões do conhecimento que também teremos de alcançar, se desejarmos continuar no caminho da evolução.

Uma dessas dimensões a serem exploradas é a do conhecimento interior. Numa cultura onde o acúmulo de conhecimentos é avassalador, dando condições a que o indivíduo receba informações acerca de tudo e quase nada a respeito de si mesmo, é óbvio que encontraremos muitas pessoas desencontradas e sem qualquer rumo na vida. Pessoas que não sabem quem são e porque elas estão neste mundo.

“Eu sou o que sei e, por saber o que sei, posso dizer que sei quem sou”.
(Francisco Souza de Almeida - Mestre Francisco)

Com palavras inesquecíveis e profundas, porém extremamente simples, Mestre Francisco transmitia ensinamentos preciosos, impregnados de uma sabedoria intuitiva, aos seus discípulos do “Centro de Cultura Cósmica – Suprema Luz, Paz e Amor”, em Brasília. Feliz de quem pôde aproveitar a sua rápida passagem por esta vida. Se as palavras do Mestre Francisco tivessem sido pronunciadas no Templo de Delfos, na antiga Grécia, não causariam nenhuma estranheza, pois o lema, ali, era: “Conhece-te a ti mesmo!”

Sem o conhecimento formal poucas coisas podemos fazer. Mas sem o conhecimento interior quase nada somos. Por isso, toda e qualquer forma de conhecimento, desde que voltada para o bem, deve ser considerada sagrada. O maior erro da Humanidade é julgar que o terreno do conhecimento deva ser inteiramente neutro. É uma das maiores questões éticas a serem discutidas no futuro, pois o ser humano jamais foi neutro. Antes de acessar o conhecimento, cada indivíduo deve estar preparado para recebê-lo. Não podemos mais brincar de “aprendizes de feiticeiros”...

Se atribuíssemos ao conhecimento o valor que ele merece, a cada vez que o buscásemos faríamos, antes, uma oração, carregada de pura e sincera humildade, pedindo que os segredos do Universo nos sejam revelados. Afinal, como tudo o que existe pertence ao Universo, é a ele que teremos de recorrer. Há, porém, alguns conhecimentos que jamais serão encontrados nos livros. Eles estão em outro lugar, fora do alcance humano e livres de profanação. A chave de acesso encontra-se no mundo dos valores.

Todos pedem ao “Pai” o “pão nosso de cada dia”. Porventura, alguém já pediu o “conhecimento nosso de cada dia”, o “alimento que supre as necessidades da alma”? Você já agradeceu por ter recebido algum conhecimento importante, uma visão esclarecedora ou uma intuição que veio a mudar a sua vida para melhor?

"Senhor de todo o Universo, diante de Vós eu peço, humildemente, permissão para entrar no “Reino do Conhecimento”. Que me seja mostrado tudo aquilo que eu possa compreender e absorver. Mas sei que essa permissão somente se dará se eu for merecedor, digno de ingressar no “Reino do Conhecimento”. Que as dificuldades que surgirem durante a busca ao conhecimento sejam menores do que a minha determinação em prosseguir nesse caminho. Que o conhecimento impregne a minha alma, como o Sol que ilumina a tudo e a todos. Que eu seja um instrumento da Vossa Vontade e que, através de mim, o conhecimento possa fluir para as pessoas que dele necessitem. Que o conhecimento que eu receba sirva apenas para o bem e que ele jamais seja utilizado para causar qualquer forma de mal. Que eu saiba discernir um do outro. Que, um dia, eu também possa afirmar: “Eu sou o que sei e, por saber o que sei, posso dizer que sei quem sou!”

Esta mensagem objetiva a difusão de princípios e valores importantes para a Humanidade, vitais para o seu momento atual e o futuro próximo. Tudo o que aqui está registrado faz parte da herança cultural que pertence a todos seres humanos, independentemente de raça, credo ou condição social, dentro do princípio fundamental de que fazemos parte de uma só família planetária. Cada um de nós tem o direito e o dever de contribuir para um mundo melhor. O texto aqui apresentado pode ser copiado, repassado ou traduzido para qualquer idioma. A meta é justamente uma difusão ampla e global, pois há questões urgentes e cujos prazos para resolvê-las estão mais curtos a cada dia que passa. Há pressa. Muita pressa!

Na mensagem de Akhenaton – uma proposta unificadora e sem fronteiras, conciliatória e fraterna poderão estar algumas das respostas que a Humanidade tanto procura neste século. Bastaria procurá-las.

Esta mensagem reflete a nossa esperança em um mundo melhor. Participem, assim, de uma corrente pelo bem do planeta e de esperança quanto ao futuro da Humanidade. Que a Luz continue presente em nossas vidas e clareando todos os caminhos. E que, sob as bençãos das forças do Bem, esta mensagem chegue até às pessoas e locais onde ela se faça necessária.

Texto: Paulo R. C. Medeiros

Que o Sol sempre brilhe em nossas vidas!

Canteiros

Ao nascer, recebemos um jardim para cuidar, já com muitas sementes, que nos cabe apenas regar, cuidando com carinho de cada canteiro.

No canteiro do Amor, nascem os mais belos sentimentos, como a solidariedade, o afeto, a ternura e uma linda flor vermelha, chamada de paixão.

No canteiro da esperança, nascem os sonhos, a perseverança, os desejos da alma, que bem regados, rendem muitos frutos, chamados de "realizações".

No canteiro da alegria, flores lindas que sorriem para a vida, são  conhecidas como "motivação", "boa vontade" e "persistência", sendo fundamentais para a continuidade do nosso jardim.

Mais ao fundo, um canteiro impressiona pela altura das flores, é o canteiro da fé, regado com orações e atitudes regeneradoras,  sobem até o céu, e muitas das flores tocam os pés dos anjos, que tudo ouvem nas nossas plantações.

Muitos cuidam do canteiro com trabalho incessante, vigiando os pensamentos, regando constantemente o amor, a alegria e a esperança, sempre com desejo sincero de mudar para melhor.

Assim, as flores crescem sempre fortes, lindas e mesmo diante das tempestades, próprias da vida, resistem ao tempo e as dificuldades, tornando-se cada vez mais belas.

Outros, um pouco menos cuidadosos, se perdem em lamentações, gastando o precioso tempo em divagações. Pensam nas plantas que poderiam ter e não tem, naquelas que já tiveram e perderam, nas belas plantas do vizinho, e vão se descuidando do jardim, deixando as ervas daninhas tomarem conta dos canteiros.

Assim, plantas destruidoras como o ódio, a inveja, a calúnia, a preguiça, o desrespeito entre outras pragas, vão tomando o lugar das flores da vida, das sementes que recebemos ao nascer, e vamos nos tornando pessoas amargas, insensíveis, amarguradas, tristes e doentes.

O jardim da vida são os seus pensamentos, o regador seus sentimentos e a semente, a fé. O jardineiro é você, a terra, a própria vida, a água é Deus, fonte de toda a vida, que espera que seu jardim não seja apenas florido, mas que dele nasçam frutos perenes, e que um dia, você vire semente eterna do bem.

Sendo assim, onde você estiver vai atrair pássaros e vida, vai levar alegria e paz, conforto e esperança, pois em você, a semente de Deus germinou, deu frutos e criou raízes profundas.

Seja você, o próprio jardim de Deus, cuide dos seus canteiros, regue todos os dias com amor, esperança e fé.

Eu acredito em você!

Texto: Paulo Roberto Gaefke

Definição de "saudade"


Como médico cancerologista, já calejado com longos anos de atuação profissional posso afirmar que cresci e modifiquei-me com os dramas vivenciados pelos meus pacientes...

Não conhecemos nossa verdadeira dimensão até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além...

Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional...

Comecei a freqüentar a enfermaria infantil e apaixonei-me pela oncopediatria. Vivenciei os dramas dos meus pacientes, crianças vítimas inocentes do câncer.

Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento das crianças. Até o dia em que um anjo passou por mim! Meu anjo veio na forma de uma criança, calejada por dois longos anos de tratamentos diversos, manipulações, injeções e todos os desconfortos trazidos pelos programas de químicos e radioterapias.

Mas nunca vi o pequeno anjo fraquejar. Vi-a chorar muitas vezes; também vi medo em seus olhinhos; porém, isso é humano!

Um dia, cheguei ao hospital cedinho e encontrei meu anjo sozinho no quarto. Perguntei pela mãe. A resposta que recebi, ainda hoje, não consigo contar sem vivenciar profunda emoção.

— Tio, às vezes minha mãe sai do quarto para chorar escondido nos corredores... Quando eu morrer, acho que ela vai ficar com muita saudade. Mas, eu não tenho medo de morrer, tio. Eu não nasci para esta vida! disse-me ela

Indaguei:
— E o que morte representa para você, minha querida?
— Olha tio, quando a gente é pequena, às vezes, vamos dormir na cama do nosso pai e, no outro dia, acordamos em nossa própria cama, não é?

Lembrei das minhas filhas, na época crianças de 6 e 2 anos, com elas, eu procedia exatamente assim.
— É isso mesmo.

— Um dia eu vou dormir e o meu Pai vem me buscar. Vou acordar na casa Dele, na minha vida verdadeira!

Fiquei "entupigaitado", não sabia o que dizer. Chocado com a maturidade com que o sofrimento acelerou, a visão e a espiritualidade daquela criança.
— E minha mãe vai ficar com saudades — emendou ela.

Emocionado, contendo uma lágrima e um soluço, perguntei:
— E o que saudade significa para você, minha querida?
— Saudade é o amor que fica!

Hoje, desafio qualquer um a dar uma definição melhor, mais direta e simples para a palavra saudade: é o amor que fica!

Meu anjinho já se foi, há longos anos. Mas, deixou-me uma grande lição que ajudou a melhorar a minha vida, a tentar ser mais humano e carinhoso com meus doentes, a repensar meus valores.

Quando a noite chega, se o céu está limpo e vejo uma estrela, chamo pelo "meu anjo", que brilha e resplandece no céu. Imagino ser ela uma fulgurante estrela em sua nova e eterna casa. Obrigado anjinho, pela vida bonita que teve, pelas lições que me ensinaste, pela ajuda que me deste.

Que bom que existe saudade! O amor que ficou é eterno.

ATITUDE É TUDO!!!

Seja mais humano e agradável com as pessoas. Cada uma das pessoas com quem você convive está travando algum tipo de batalha.

- Viva com simplicidade.
- Ame generosamente.
- Cuide-se intensamente.
- Fale com gentileza.

- E, principalmente, NÃO RECLAME!

Lembre-se...
Você é especial...
E... não estamos aqui por acaso...

Texto: Dr. Rogério Brandão - Médico oncologista

A importância do agora

Pare por um instante e acalme seus pensamentos. Esqueça suas ansiedades e dê uma olhada ao redor de você. O que você vê?

Você vê um mundo repleto de beleza. Você vê uma vida cheia de possibilidades. Você vê sonhos nascendo, sendo criados e sendo atingidos.

Sim, há desafios. Sim, há tristeza. Sim, há violência e ódio.
Mas, mais do que isto, há amor, há bondade, há alegria...

O futuro é incerto. E isso significa que não há nenhum limite em quão belo e feliz você pode fazê-lo. Mas tudo o que você tem é somente o AGORA.

E AGORA é exatamente como deveria ser. É seu tempo de viver.

Pense como a vida é preciosa. E como verdadeiramente abençoado você é, por estar vivendo o AGORA.

Agora, qualquer ansiedade que tenha sobre o futuro é somente ilusão. Esqueça todas elas. Faça com que elas sejam apagadas enquanto a beleza e perfeição do AGORA se estendem sobre você.

A melhor coisa que você pode fazer para o futuro é viver com tudo que você tem no presente. AGORA você pode exercer uma força realmente positiva e duradoura no mundo ao seu redor.

Como fazer isso?
Seguindo o seu coração... Sendo o que realmente você é.

Você pode ter vagado pra longe. AGORA é o momento de retornar ao lar. Você sabe em seu coração que está aqui por uma razão. A dor que você sente é este propósito, esta razão de viver, que constantemente luta para se libertar.

Quando isto acontecer, você estará mais vivo do que jamais pudesse ter imaginado. Inspire a beleza ao seu redor, a beleza e riqueza de estar vivo.

É sua graça.
É sua fortuna.
É sua bênção.
E é seu viver, experimentar, cumprir.
AGORA!

Texto: Ralph Marston

26 de mar de 2011

"Eu te amo" não diz tudo...

O cara diz que te ama, então tá! Ele te ama.

Sua mulher diz que te ama, então assunto encerrado. Você sabe que é amado porque lhe disseram isso, as três palavrinhas mágicas.

Mas ouvir que é amado é uma coisa...

Sentir-se amado é outra... uma diferença de quilômetros. A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e palavras.

Sentir-se amado, é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade, que se preocupa quando as coisas não estão dando certo, que coloca-se a postos para ouvir suas dúvidas e que dá uma sacudida em você quando for preciso.

Sentir-se amado é ver que ela lembra de coisas que você contou há dois anos, é vê-la tentar reconciliar você com o seu pai, é ver como ela fica triste quando você está triste e como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo tempestade em copo d'água.

... Sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão...

Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente inteiro.

Sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que tudo pode ser dito e compreendido.

Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo.

Sente-se amado quem não ofega, mas suspira; quem não levanta a voz, mas fala; quem não concorda, mas escuta:

“ME AME QUANDO EU MENOS MERECER, POIS É QUANDO EU MAIS PRECISO”.

Arnaldo Jabor

Amigos sempre estarão a postos

Um jovem recém casado estava sentado num sofá num dia quente e úmido, bebericando chá gelado durante uma visita ao seu pai. Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para seu filho.

- Nunca se esqueça de seus amigos, aconselhou! Serão mais importantes na medida em que você envelhecer. Independentemente do quanto você ame sua família, os filhos que porventura venham a ter, você sempre precisará de amigos...

Lembre-se de ocasionalmente ir a lugares com eles; faça coisas com eles; telefone para eles...

Que estranho conselho! Pensou o jovem... Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza minha esposa e a família que iniciaremos serão tudo que necessito para dar sentido à minha vida! Contudo, ele obedeceu ao pai. Manteve contato com seus amigos e anualmente aumentava o número de amigos. Na medida em que os anos se passavam, ele foi compreendendo que seu pai sabia do que falava.

Na medida em que o tempo e a natureza realizam suas mudanças e mistérios sobre um homem, amigos são baluartes de sua vida.

Passados 50 anos, eis o que aprendi:
O tempo passa. A vida acontece. A distância separa... As crianças crescem. Os empregos vão e vêm. O amor fica mais frouxo. As pessoas não fazem o que deveriam fazer. O coração se rompe. Os pais morrem. Os colegas esquecem os favores. As carreiras terminam.

MAS... os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilômetros estão entre vocês.

Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por você, intervindo em seu favor e esperando você de braços abertos, abençoando sua vida!

Quando iniciamos esta aventura chamada VIDA, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante. Nem sabíamos o quanto precisaríamos uns dos outros.´Pessoas sábias falam sobre idéias; pessoas comuns falam sobre coisas; e pessoas medíocres falam sobre pessoas. Indique esta mensagem a todos os amigos que ajudam a dar sentido à sua vida...

Exército contra aquecimento global





As incríveis formações de SALPAS, um exército contra o aquecimento global.

As Salpas (Salpidae) são umas pequenas medusas do tamanho de uma polegada humana que parecem uma bola de gelatina, e habitam em grandes quantidades nos oceanos do mundo, especialmente nas águas gélidas da região Antártica e nos mares do Norte.





Recentemente, as colônias de Salpas começaram a avançar em zonas mais quentes: são uma espécie de manto que segundo as investigações, poderia ser um dos maiores contribuintes em um processo natural para reverter o aquecimento global.
As Salpas consomem cada dia uma impressionante quantidade de fitoplancton (plantas microscópicas fotossintéticas, contedoras do carbono na superfície do oceano) para descartá-lo e sepultá-lo em forma de bolinhas fecais no fundo do mar.

As Salpas, vivem em colônias que parecem dançar na água flutuando como se fossem um exército com formações incríveis. Em zonas do Atlântico norte, foram detectados cardumes de Salpas que no verão cobriam superfícies de até 100.000 km quadrados.
Segundo as estimativas dos estudos realizados, as Salpas seriam capazes de consumir em um só dia 74% do fitoplancton contedor do carbono na superfície, e assim umas 4.000 toneladas de carbono seriam sepultadas com as fezes em águas profundas, os dejetos afundando até 1000 m cada dia.



Segundo estimativas, os cardumes de Salpas são maiores quando aumenta a temperatura nos mares. Seriam um modo natural de equilibrar o aumento do gás do efeito invernadeiro e o aquecimento global.


O planeta se dá conta de que não estamos fazendo nada por cuidá-lo e decidiu contratar seu próprio sistema de limpeza. Por sorte não continuaremos atrapalhando o trabalho.

18 de mar de 2011

Continuarei sempre...

Continuarei a acreditar, mesmo que tentem me fazer perder a esperança.

Continuarei a amar, ainda que os outros destilem ódio.

Continuarei a construir, ainda que os outros destruam.

Continuarei a falar de Paz, ainda que no meio de uma Guerra.

Continuarei a iluminar, mesmo no meio da escuridão.

Continuarei a semear, ainda que os outros pisem a colheita.

E continuarei a gritar, ainda que os outros se calem ou tentem me calar.

E desenharei sorrisos, nos rostos que encontrar em lágrimas.

E transmitirei alívio, quando encontrar a dor.

E oferecerei motivos de alegria, onde só haja tristezas.

Convidarei a caminhar aquele que decidiu parar.

E darei os meus braços, aos que se sentirem exaustos.

Porque no meio da desolação, sempre haverá uma criança que nos olhará, esperançada, querendo algo de nós, e ainda que no meio de uma tormenta, por algum lado sairá o sol e no meio do deserto crescerá uma planta.

Sempre haverá um pássaro que cante, uma criança que nos sorria e uma borboleta que nos brinde com a sua beleza.

Mas... se algum dia vires que já não caminho, não sorrio ou me calo, apenas aproxima-te e dá-me um beijo, um abraço ou oferece-me um sorriso.

Isso será suficiente, pois seguramente me terei esquecido de que a vida me acabrunhou e me surpreendeu por um momento.

Um momento apenas...
Mas mesmo assim, tenha certeza:
EU CONTINUAREI...

Pois tenho DEUS dentro de mim.

Paulo Roberto Wortmann

Chimarrão


Amargo doce que eu sorvo
Num beijo em lábios de prata
Tens o perfume da mata
Molhada pelo sereno

E a cuia, seio moreno
Que passa de mão em mão
Traduz, no meu chimarrão

Em sua simplicidade
A velha hospitalidade
Da gente do meu rincão

Trazes à minha lembrança
Neste teu sabor selvagem
A mística beberagem
Do feiticeiro charrua

E o perfil da lança nua
Encravada na coxilha
Apontando firme a trilha

Por onde rolou a história
Empoeirada de glórias
De tradição farroupilha

Em teus últimos arrancos
Ao ronco do teu findar
Ouço um potro a corcovear
Na imensidão deste pampa

E em minha mente se estampa
Reboando nos confins
A voz febril dos clarins
Repinicando: "Avançar"!

E então eu fico a pensar
Apertando o lábio, assim
Que o amargo está no fim

E a seiva forte que eu sinto
É o sangue de trinta e cinco
Que volta verde pra mim.

Glaucus Saraiva